Publicidade
Publicidade - Super banner
Moda No Mundo
enhanced by Google
 

A SPFW é mais bonita que a semana de moda de Nova York

A modelo ícone Raquel Zimmermann está no Brasil e desfila na sexta (28) para a Animale. Veja entrevista exclusiva com a top

Andressa Zanandrea |

Flavio Moraes/FOTOARENA
Raquel Zimmermann, no Hotel Emiliano, em São Paulo
A modelo ícone Raquel Zimmermann será a primeira a entrar na passarela nesta 30ª edição de São Paulo Fashion Week, que começa nesta sexta-feira (28), na Bienal do Parque do Ibirapuera. Raquel desfila exclusivamente para a Animale, marca carioca que abre o calendário de desfiles, ao lado da Angel da Victoria’s Secret Candice Swanepoel, de Isabeli Fontana e de Tatiana Cotliar, atual rosto da Prada. O iG Moda conversou com ela nesta tarde, no Hotel Emiliano, onde está hospedada até sábado, quando embarca para Londres.

iG Moda: Você será a primeira a desfilar nesta edição de 15 anos de São Paulo Fashion Week. O que mudou desde a sua primeira participação no evento?
Raquel Zimmermann:
Quando participei pela primeira vez, em 1999, o evento ainda se chamava Morumbi Fashion. Desfilei pela Ellus. Era bem new face, do interior do Rio Grande do Sul, então achei um superevento. Lá vi a Shirley Mallmann e a Renata Maciel. Logo depois fui para o Japão e para a Europa e fiquei anos sem vir. Em 2004 voltei a desfilar no Brasil, mas ainda estava trabalhando muito lá fora. Em 2005 assinei com a Animale, mas os desfiles eram no Rio. Em 2008 a Animale veio para cá e passei a vir direto, exclusiva pela marca. Adoro a Bienal, como prédio, com projeto de Oscar Niemeyer. É mais bonito que Nova York, que são aquelas tendas. Não é só um evento de moda, é social, tem exposição de arte, livraria. Cada vez que venho vejo que está mais organizado. Dá para comparar com o exterior.

iG Moda: Qual o desfile que mais te marcou na SPFW?
Raquel Zimmermann:
O primeiro da Animale. A marca é carioca, mas acredita no evento. Foi a primeira vez que desfilei exclusivamente para uma marca em São Paulo.

iG Moda: E como é isso de ser exclusiva para uma marca?
Raquel Zimmermann:
Foi uma mudança que fiz na minha carreira. Há um ano, passei a fechar exclusividade também no exterior. Fiz as campanhas de verão e inverno, perfume, comercial de TV e desfile em Paris para a Chloé, e fiz a campanha de inverno e o desfile de verão da Gucci. Com isso, posso me empenhar a dar mais atenção para o cliente. Quando você faz desfiles para várias marcas, dificilmente foca; vai no automático e não presta muita atenção. Hoje à noite vou lá ver a coleção, ver qual é a inspiração e, assim, posso interpretar melhor o que o cliente quer vender.

iG Moda: Você pensa em lançar uma marca ou uma linha de roupas, como outras modelos?
Raquel Zimmermann:
Não, isso não está nos meus planos.

iG Moda: Para qual marca você gosta de trabalhar lá fora?
Raquel Zimmermann:
Uma campanha que gostei muito de fazer, uma das mais incríveis, foi a última de Alexander McQueen. A direção de arte era muito interessante, com cobras de verdade. Foi muito criativo e ligou moda e arte. Fico mais empolgada nesses casos.

iG Moda: Com quais fotógrafos, maquiadores e stylists você gosta de trabalhar?
Raquel Zimmermann:
Aprecio muito trabalhar com várias equipes diferentes, com jeitos diferentes de trabalhar. Conheci o David Lynch em um trabalho de comercial de TV para a Gucci. Gostei dele não só criativamente, como cineasta, mas ele veio com ideias além, superinspiradoras. É gente boa, tem talento e é muito legal. Comprei o livro dele Águas Profundas, sobre meditação transcendental. Tenho uma amiga em Londres que pratica e aprendi a fazer em agosto. Medito 20 minutos de manhã e 20 minutos à tarde, todo os dias. Como fico sozinha, longe da família, isso ajuda. Dá bem-estar, não sinto depressão, melhora a autoestima e dá vontade de viver. Melhorou muito a minha vida e superaconselho.

iG Moda: Você pratica também algum esporte?
Raquel Zimmermann:
Tenho em casa, em Nova York, um Transport e faço uma vez por semana. Deixei o aparelho em frente à janela e tenho a vista de Manhattan. Acho legal. No verão, pego a bicicleta e vou ao parque. Gosto de praticar esporte, mas não gosto e nunca fui de academia. Acho que tem de ser algo que tem de se divertir fazendo. No final do ano, vim ao Brasil e caminhava na praia todos os dias com a minha irmã.

iG Moda: Qual parte do seu corpo você mais gosta?
Raquel Zimmermann:
Acho que tenho a coxa boa. Andava muito, muito mesmo, de bicicleta quando era nova. Acho que isso ajudou.

iG Moda: Você tem algum segredo de beleza? Qual perfume usa?
Raquel Zimmermann:
Se você está bem por dentro, mostra por fora. A meditação ajuda. Se você toma mais água, a pele começa a melhorar. Comer menos enlatados também ajuda. Nos Estados Unidos é mais difícil conseguir coisas orgânicas, que deixam a pele melhor. Aqui é mais fácil. Todos os dias uso um hidratante da Shiseido e tenho usado um tônico da Lancôme à noite. Não gosto de dormir com creme no rosto. Se uso um sabonete facial, passo o tônico depois. Estou usando um perfume da Chloé, de água de flor da lavanda.

iG Moda: Onde você compra roupa? De que marcas gosta?
Raquel Zimmermann: Tem uma loja chamada 45rpm, em Nova York, de que gosto muito. É uma marca japonesa. Eles fazem camisas de algodão com que me sinto bem quando estou usando. Gosto do estilo confortável. Ganho bastante roupas em desfile e de clientes. Nem sempre uso todas. No ano passado doei para o brechó À la Garçon. Eles têm um projeto com a Pedigree e a venda é revertida para a compra de ração para cães de rua. No Brasil há muitos cachorros de rua e eles sofrem muito, são maltratados. Há vários problemas que eu poderia estar ajudando e estou me conscientizando disso. Mas se cada um fizer um pouquinho que pode, já vai estar ajudando. Eu não tenho cachorro, porque viajo muito. Não dá.

iG Moda: Você costuma sair à noite? O que faz para se divertir?
Raquel Zimmermann:
Estou numa outra fase. Já saí muito, fui a várias baladas, da moda ou não. Mas estou com 27 anos e numa fase da vida de aprendizado e autodescobrimento. Vou a eventos sociais legais que vão me acrescentar algo. Ficar na noitada vai me dar o quê? Uma ressaca no dia seguinte? Prefiro acordar cedo, ir ao parque, encontrar amigos. Em Nova York, gosto de sair para tomar chimarrão com eles e tocar violão.

Leia tudo sobre: raquel zimmermannentrevistaspfw

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG